O desmonte dos bancos públicos está a todo vapor e você nem percebeu. Começou no último 07 a adesão ao Plano de Demissão Voluntária da Caixa, a ideia é demitir 10 mil funcionários. Paralelo a isso, operações como cartões e loterias estão na mira privatista, assim como os recursos do FGTS e do FAT também são alvo de negócios dos bancos privados. Sem a necessidade de se fazer um grande leilão de privatização, o modelo sorrateiro de desvalorizar, precarizar e ir vendendo partes do bancos aos pouquinhos, é o modelo de privatização da Era Temer.

Segundo Rita Serrano, coordenadora do Comitê Nacional em Defesa das Empresas Públicas e diretora do Sindicato dos Bancários do ABC: “Com o programa de demissão voluntária e a privatização de operações haverá uma queda drástica do número de empregados na Caixa. Ou seja, você está acabando com a empresa sem necessariamente abrir o capital ou vender num leilão da Bolsa como era feito na década de 1990. Você vai acabando com ela aos poucos”.

Os programas sociais são diretamente afetados, pois são financiados e executados pela estrutura dos bancos públicos. “O que estamos vendo é o patrimônio público sendo entregue e investimentos e programas sociais voltados aos brasileiros de menor renda sendo deixados de lado para atender ao capital privado” enfatiza Rita.

Agências do Banco do Brasil também são foco do desmonte, que também tem um PDV previsto, e começam a ter agências fechadas em todo o país, demonstrando o ritmo acelerado que o governo Temer está impondo na destruição dos bancos públicos.