Na quinta-feira (30) de cortes do Governo Federal, sobrou também para o meio ambiente. Dos R$ 911 milhões previstos inicialmente para o Ministério do Meio Ambiente (MMA), sobrou menos da metade. Após o contingenciamento, o orçamento passa a ser de R$ 446 milhões, redução de 51%.

Nem Donald Trump, que afirmou que o aquecimento global é conspiração dos chineses, cortou tanto proporcionalmente. O presidente estadunidense propôs reduzir 31% dos fundos da Agência de Proteção Ambiental.

O site Observatório do Clima destaca que a situação de órgãos como o Ibama pode ficar ainda mais crítica, já que este tem trabalhado no limite dos seus recursos e sem apoio internacional. Além disso, diferentemente de outros ministérios, o MMA não pode contar com verba vinda do PAC.

O corte acontece em um momento em que o desmatamento cresce. Em 2016, o aumento foi de 29% na Amazônia. Pela primeira vez em 12 anos o desmatamento na floresta apresentou aumento consecutivo.