O governo de Michel Temer, por onde passa, não deixa um pilar de direitos e pactos com a sociedade de pé. Ontem foi aprovada por 16 votos à 4 a MP da “grilagem”.  A medida provisória revoga “10 leis essenciais à regularização fundiária e as substituiem por normas que ainda serão definidas pelo poder Executivo.” segundo a Procuradoria Federal dos Direitos dos Cidadão.

Já o “padrinho” da MP, o senador Romero Jucá (PMDB-RR), líder do governo e alvo de 4 inquéritos na Lava Jato, a medida “é uma pacificação do campo, das áreas urbanas e das famílias brasileiras, que muitas vezes passam anos em cima de processos judiciais que o poder público não consegue concluir”

A subprocuradora-geral da república Debora Duprat contesta o argumento afirmando que “essa tentativa de regularizar grilagem e desmatamento tem se mostrado ineficaz, porque ela não diminui nem a grilagem nem o desmatamento”.

Fica claro que é mais uma ação para diminuir a transparência na regularização fundiária e atender aos interesses de grupos econômicos que mantem o governo, com 4% de aprovação, de pé.